quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Cartas secretas.

Postado por Gabriele Mendonça às 04:00 0 comentários
"É tão estranho simplesmente não falar mais com a pessoa que você um dia amou e que inconscientemente ainda ama, quero dizer, quando aparentemente tudo está bem e de uma hora para outra tudo fica muito diferente e as coisas começam a não ser mais como sempre foram. Com isso eu não sei mais se quero me apaixonar por alguém.
    Há um certo tempo atrás, logo após ter sido dispensada pelo cara se dizia completamente apaixonado por mim, eu decidi não me envolver emocionalmente com mais ninguém. Dar um jeito de guardar  todos os meus sentimentos em uma caixinha e trancar com o maior cadeado que eu encontrasse. Confeço que por um tempo funcionou, mas eu não era completamente feliz nessa época.
    Então derrepente alguém aparece na minha cidade dizendo que me ama e eu não consigo resistir, acabo me entregando a isso e quando finalmente acho que, mesmo apesar de todos os conflitos, vai dar certo, tudo muda. No início, imaginei que pudesse ser paranóia minha ou que nem era nada de tão grave, mas então o tempo fez sua parte e só tornou minha teoria cada vez mais verdadeira.
   Não que eu seja romântica, mas toda menina gosta de ouvir "eu te amo" de quem diz que a ama... toda menina gosta de demonstrações de carinho e quando você faz para outra menina declarações em "público", é triste... e quando você só aparece uma vez por mês com conversas baratas é o fim.
   Nem sei porque comecei a escrever isso, não vou mandar pra ninguém e dificilmente coloque no blog e com certeza vai ser muito mais difícil ter algum leitor pra isso, mas eu só precisava desabafar...
   Derrepente tudo parece voltar ao normal, ao seu devido lugar e então você reaparece dizendo "eu te amo, sua boba" e adivinha? Eu continuo caindo nessa. 
   Eu poderia estar chorando agora ao ouvir "How I wish you're here" ou qualquer outra música depressiva, só que não estou. Talvez seja uma parte de mim dizendo para eu mudar de direção e parar de ser tão estúpida, ou pode ser só a tristeza que me fez congelar.
   Como eu queria ter realmente me tornado imune a tudo isso, como um dia eu disse pra mim mesma que pretendia fazer tal coisa, mas quando se trata das suas palavras e tudo que é sobre você tudo que um dia eu idealizei, toda aquela história de me tornar forte desaparece.
   Por que? Aposto que se nós morássemos na mesma cidade ou perto isso tudo seria bem diferente. Mas aí tu resolveu aparecer aqui na minha porta com um jeito meio tímido e dizendo que ia voltar.. Quanto tu foi embora, bem, eu só conseguia desejar que você um dia pudesse estar ao meu lado para me abraçar novamente.
   4 da madrugada, tu em alguma festa com a mais nova sortuda e eu aqui pensando se tu lembra de mim ainda, se ainda sente algo por mim... Porque por mais que eu lute contra isso, é como se eu lutasse contra a necessidade de respirar, é impossível. 
   Há tanta coisa ainda pra ser escrita, mas se você não vai ler não vale a pena escrever."

Escrevi isso há algum tempo atrás, apenas adaptei para o momento que estou passando.

sábado, 3 de setembro de 2011

O que vai volta, querido.

Postado por Gabriele Mendonça às 03:46 0 comentários
Houve um tempo em que eu pensei que você fazia tudo certo, sem mentiras, sem erros. Cara, eu deveria estar louca! De repente você mudou e então quando penso na época em que eu quase te amei, você se mostrou um idiota e eu vi quem você era de verdade.
Graças a Deus que você estragou tudo, graças a Deus eu me esquivei da bala. Já superei você, então amor, é melhor cair fora.
Eu te queria tanto, estava tão certa disso, porque honestamente, você acabou por ser a melhor coisa que eu nunca tive. Sim, você acabou por ser a melhor coisa que eu nunca tive e eu sempre vou ser sempre a melhor coisa que você nunca teve.
Aposto que é uma droga ser você agora....
Tão triste, você está mal... Você esperava que eu me importasse? Você realmente imaginou que eu ficaria preocupada com suas crises de existência?
Você não merece as minhas lágrimas, acho que é por isso que elas nem estão aqui. Porque quando penso na época em que eu quase te amei, você se mostrou um idiota e eu pude ver quem você era de verdade.
Obrigada por estragar tudo, obrigada por tornar tudo tão mais fácil. A dor que eu sentiria, o sentimento que eu ia manter... tudo desapareceu junto com você aquele dia.
Você sabe que eu te queria tanto, sabe que eu estava certa disso e honestamente, você acabou sendo a melhor coisa que eu nunca tive, a melhor coisa que eu nunca tive por inteiro.
E você sabe que eu sempre vou ser sempre a melhor coisa que você nunca teve...
Bem, aposto que é uma droga ser você agora.
Eu sei que você me quer de volta, é hora de enfrentar os fatos. Você perdeu uma amiga, alguém que gostava de você e que seria capaz de largar tudo. Mas depois de tudo que aconteceu, é estranho perceber que eu sou a unica que foi embora, Deus sabe que seria preciso outro lugar, outra época, outro mundo, outra vida para isso dar certo. É, graças a Deus eu encontrei o bem indo embora.
Um dia eu te quis tanto, e eu estava tão certa disso. Um dia você fez meu coração acelerar só com um sorriso, você sabe disso. Um dia eu acreditei em todas as promessas, eu estava completamente cega. Mas honestamente, você acabou por ser a melhor coisa que eu nunca tive admita, eu sempre vou ser sempre a melhor coisa que você nunca teve.
Amor, aposto que é uma droga ser você agora, porque tudo que vai, volta.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Fotografia

Postado por Gabriele Mendonça às 02:56 0 comentários
Pra quem não sabe, fotografia é um dos meus hobbies e agora está se tornando mais profissional.
Apesar de dominar completamente o equipamento, me esforço bastante e muitas vezes curto o resultado.
Segue aí um link com as fotos que fiz no show da Bidê ou Balde, Fresno e alguns projetos paralelos.

Flickr
 

NÃO ME CHAMO POLLY Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos